Notícias

Professores do Triângulo ajuízam dissídio coletivo e exigem vacinação   

25 de maio de 2021

Em assembleia na última sexta-feira (21/5), professores de escolas particulares do Triângulo Mineiro decidiram manter o estado de greve e ajuizar o dissídio coletivo, uma vez que não houve avanço nas negociações com o sindicato patronal (Sinepe-TM).  

O dissídio coletivo é o instrumento jurídico por meio do qual o sindicato pede que a Justiça do Trabalho julgue as reivindicações apresentadas pela categoria.  

Na região, os donos de escolas se recusam a conceder reajuste salarial aos professores e ainda insistem em retirar ou prejudicar direitos históricos da categoria, como adicional extraclasse e por tempo de serviço, bolsas de estudos, entre outros.  

Além disso, eles se negam a garantir a data-base e querem impor o retorno às aulas presenciais, mesmo quando diversos epidemiologistas alertam para a possibilidade de uma 3ª onda da pandemia no Brasil, que pode ser ainda mais grave que a anterior.  

Conforme ressaltaram os professores durante a assembleia, a postura do patronal é intransigente e inaceitável. Na avaliação do Sinpro Minas, as negociações revelam que a prioridade dos donos de escolas na região é tratar a educação como mercadoria, em detrimento da valorização e do direito à saúde dos professores.    

Por isso, a categoria definiu, por unanimidade, pelo dissídio coletivo e pela manutenção do estado de greve, com ampliação da mobilização em defesa dos direitos e da vida. A partir do dia 24/5, ações serão feitas em várias cidades, para denunciar a desvalorização do trabalho docente durante a pandemia, em uma das regiões mais ricas do estado.  

Os professores também vão denunciar o risco à vida decorrente da falta de cumprimento dos protocolos sanitários por escolas, nas cidades onde já houve o retorno presencial das aulas. 

Na assembleia, os professores também aprovaram a proposta do Sinpro Minas de fortalecer a luta em defesa da vacinação dos profissionais da educação, com a participação de outras entidades, entre elas o Sind-UTE/MG, o SAAE-MG, os servidores públicos, as câmaras municipais e as secretarias municipais de educação.   

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha