Notícias

Professores e funcionários do UNI-BH aprovam indicativo de greve

23 de janeiro de 2009

 

Em assembléia, realizada no dia 22/01, professores e funcionários do UNI-BH votaram por um indicativo de greve a partir de 2 de fevereiro. A decisão de paralisação poderá ser tomada na próxima assembléia, reunindo novamente as duas categorias, marcada para 30/01 (sexta-feira), às 18h, no auditório Ney Soares do UNI-BH, na rua Diamantina, 463, Lagoinha, caso a Fundação Cultural Belo Horizonte (Fundac), mantenedora da universidade, não regularize o pagamento dos salários em atraso. 

Durante a assembléia, que teve a presença de representantes do Sinpro Minas, do SAAE-MG e da Aduni, a Comissão Fiscalizadora criada para acompanhar o fluxo de caixa do UNI-BH, por determinação da Superintendência Regional do Trabalho, apresentou um sombrio cenário da situação contábil da instituição. Um passivo trabalhista de R$ 9 milhões. A atribuição da comissão é verificar os dados para que 80% da receita fosse canalizado para o pagamento dos trabalhadores. Mas, na conta aberta destinada ao recebimento do percentual da receita nenhum valor foi depositado.

O faturamento da instituição já está comprometido com empréstimos bancários e, sem crédito, alegam não conseguir cumprir seus compromissos financeiros. A instituição está em débito com as folhas de dezembro, 13 º salário, férias e 1/3 constitucional. Também não recolhe FGTS, INSS, e imposto de renda. Segundo o técnico contábil que assessora a comissão, José Maria de Souza, a situação é grave e complicada, mas a Fundac possui um bom patrimônio e deve buscar soluções para sanar suas contas.

Os professores expuseram sua indignação e relataram que também passam por dificuldades para quitar seus compromissos financeiros pessoais. Eles disseram não terem condições de iniciar o semestre sem receber salário e esperam contar com o apoio dos alunos, caso tenham que paralisar as atividades.

O presidente do Sinpro Minas, Gilson Reis, lembrou que o problema vivido pelos professores do UNI-BH não é isolado e  que o ensino superior está passando por um ajuste após um período de grande expansão. Segundo ele, já foram feitas várias tentativas de negociação com a Fundac e como os acordos não são cumpridos há uma quebra de confiança que leva os professores a decidirem pelo direito de greve. “Não adianta buscar soluções fáceis para problemas complexos”, conclui.

 

Assembléia de professores e funcionários do UNI-BH.

 

Data: 30/01/2009

 

Horário: 18h

 

Local: UNI-BH – Auditório Ney Soares – Rua Diamantina, 463, Lagoinha

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha