Notícias

Professores fazem manifestação na porta da prefeitura de BH

23 de abril de 2021

O Sinpro Minas participou na manhã de hoje, 23/04, juntamente com várias entidades representantes de trabalhadores/as na educação da rede pública e privada, de uma manifestação na porta da Prefeitura de Belo Horizonte contra a autorização para o retorno às aulas presenciais das escolas infantis a partir da semana que vem. A manifestação teve como objetivo sensibilizar o prefeito Kalil e toda a sociedade sobre o risco desta proposta de retorno no momento em que o país registra quase 400 mil mortes e alto índice de contaminação, além da falta de medicamentos, insumos e vagas em UTIs e enfermarias em todo o Brasil.
A presidenta do Sinpro Minas, Valéria Morato, em seu discurso na porta da prefeitura, chamou a atenção para o fato de que serão mais de 100 mil pessoas transitando pela cidade – o que resultará em um novo processo e mais intenso de saturação do sistema de saúde. “Esta medida é arbitrária, pois em nenhum momento, os professores e as professoras foram ouvidos. Somos nós que sabemos o que acontece no dia a dia dentro das escolas e não técnicos que ficam por detrás das mesas. Eles precisam dialogar com quem, diariamente, lida com crianças que, muitas vezes, podem até apresentar febre em sala de aula. A nossa luta é pela vacinação de toda a população e pelo auxílio emergencial para que o trabalhador possa ficar em casa neste momento de pandemia. Para isso, pagamos impostos”, afirma.
Valéria Morato reforça que os/as professores/as têm arcado com despesas que deveriam ser da escola como luz, internet e equipamentos tecnológicos, além de terem a jornada de trabalho triplicada no sistema remoto. “Assim, tanto na rede privada como pública, os/s professores/as estão se desdobrando para garantir a educação para os/as estudantes. Queremos aula presencial, porque educação se faz de forma presencial, mas precisamos estar vivos e, neste momento, o que vale é garantir a vida e não o retorno. Pais e mães, não mandem seus filhos para a sala de aula, pois eles ficarão expostos! Não há possibilidade de organização e cumprimento de protocolos. Educação infantil é acolhimento, é contato. Kalil, olhe para a Ciência e não para o capital, não ceda ao patronal! Queremos vacina já e não arredaremos, enquanto nossas vidas estiverem sendo ceifadas”, afirmou Valéria.

Participaram da manifestação, além do Sinpro Minas, APUBH/UFMG, CTB, Contee, Fitee, SindRede e UCMG.

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Opinião Sinpro Minas
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha