Notícias

Professores mantêm greve; nova assembleia será na quarta (15/6)

13 de junho de 2022

Em assembleia nesta segunda-feira (13/6), professores de Belo Horizonte e cidades de abrangência da CCT MG decidiram permanecer em greve. Eles agendaram uma nova assembleia para esta quarta (15/6), com o objetivo de decidir o rumo do movimento.

A assembleia da categoria será realizada na parte da tarde, logo após o término da audiência de conciliação no Tribunal Regional do Trabalho (TRT), marcada para começar às 14 horas desta quarta-feira. A audiência será transmitida online e exibida no telão instalado no pátio da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG).

Na última reunião de negociação, os donos de escolas  mantiveram a intenção de retirar direitos da categoria e precarizar as condições de trabalho dos docentes. Eles insistem, por exemplo, nas propostas de acabar com as bolsas de quem atrasar a mensalidade, de aumentar o número de situações que permitem reduzir a carga horária sem ter de indenizar os professores e de incluir no acordo uma oportunidade para a escola deixar de pagar horas extras aos docentes, o chamado “controle alternativo de jornada”.

O patronal (Sinep MG) também quer dividir a categoria, ao defender uma Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) diferente para os docentes do ensino superior. Em relação ao reajuste, eles mantiveram a proposta de 5% para o ensino básico e 4% para o superior – enquanto o índice oficial da inflação no último ano foi de 11,73%.

Na assembleia, os professores voltaram a rejeitar a proposta patronal e reafirmaram a pauta de reivindicações entregue aos donos de escolas. A categoria reivindica recomposição salarial de acordo com a inflação acumulada e um ganho real de 5%, manutenção dos direitos previstos na Convenção Coletiva de Trabalho (CCT), regulamentação do trabalho virtual, entre outros pontos de valorização profissional.

“Estamos em um momento insustentável, e o nível de precarização tende a piorar com a mercantilização da educação, que nos transforma em um número na planilha de custos. A gente precisa se fortalecer neste momento, pois nos separar é justamente o que o patronal quer”, afirmou uma professora.

Os docentes também denunciaram a sobrecarga de trabalho e o assédio dos donos de escolas, com o objetivo de impedir a adesão da categoria à greve. “Os professores e professoras estão sendo bastante assediados. Vários foram chamados pela direção pra não aderir à greve, que é um direito constitucional dos trabalhadores. É importante que os professores denunciem essa situação, porque vamos recorrer à Justiça para assegurar o direito dos professores”, ressaltou Thais D’Afonseca, presidente interina do Sinpro Minas, ao citar o canal na internet aberto pelo sindicato para que as denúncias sejam feitas (clique aqui para acessá-lo).

No dia 26/5, o Sinpro Minas entrou com uma representação no Ministério Público do Trabalho (MPT) contra cinco escolas (Colleguium, Santa Marcelina, Loyola, Arnaldo e Batista) pelas práticas de assédio aos docentes, com o objetivo de impedir a adesão da categoria à paralisação das atividades. No ofício, o sindicato denunciou as ações de intimidação das instituições de ensino. Em uma escola, um comunicado foi afixado no quadro de avisos, no qual pedia aos professores que informassem ao coordenador e ao supervisor, por meio de uma declaração de próprio punho, a decisão de aderir à paralisação. Em outra, a coordenação fez contato telefônico com os docentes, exigindo deles uma manifestação expressa sobre a participação ou não na paralisação. Também houve instituições de ensino em que os professores foram chamados pela direção, que exigiu deles uma posição a respeito da adesão ao movimento.

“A decisão da categoria [de fazer greve] foi tomada por causa da postura intransigente do Sinep MG. Esse não é um cenário novo. Em 2018, eles fizeram uma tentativa de retirar direitos da categoria. Agora, em 2022, o patronal vem se aproveitando desse momento de fragilidade social, política e econômica e, após dois anos de isolamento e sistema remoto de ensino, retoma os ataques e quer dividir nossa categoria, dilapidando nossa Convenção Coletiva de Trabalho. Isso é gravíssimo. Não paramos porque queremos. Paramos para que haja um futuro para a educação. Mesmo sob tanta pressão, encontramos forças. Afinal, qual legado estaríamos deixando se aceitássemos de forma passiva a precarização das condições de trabalho e a consequente perda da qualidade de ensino? Nenhum direito a menos!”, destacou uma professora da PUC Minas, ao ler um trecho do manifesto assinado pelos docentes da Universidade.

Assembleia de professores de BH e cidades de abrangência da CCT MG

Data: 15/6 – quarta-feira

Horário: período da tarde (logo após o término da audiência de conciliação no TRT, agendada para as 14 horas – a audiência será transmitida online)

Local: Pátio da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (Rua Rodrigues Caldas, 33, Santo Agostinho – BH)

COMENTÁRIO

Uma resposta

  1. É necessário organizar a base. Estamos diante de vários ataques e não será com eleições e conciliação de classes , que mudaremos o rumo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha