Notícias

Professores rejeitam nomeação de Claudia Costin para a Secretaria de Educação Básica

22 de novembro de 2012

Após a confirmação da saída de Cesar Callegari da Secretaria de Educação Básica do Ministério da Educação, os movimentos se organizaram para indicar um nome para o cargo que contemple uma pessoa ligada à defesa da educação pública, gratuita, laica, referenciada socialmente e sem interesses mercantilistas. No entanto, a possível nomeação de Cláudia Costin para a função provocou indignação da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino (Contee) e do Movimento Interfóruns de Educação Infantil do Brasil (MIEIB), que publicaram cartas de repúdio.

Atual secretária de Educação do município do Rio de Janeiro, Cláudia Costin foi ministra da Administração e Reforma do Estado durante o Governo do presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB). De acordo com as entidades, ela é considerada privatista e foi diretora da Fundação Victor Civita, ligada ao Grupo Abril e à revista Veja. Setores da pedagogia do país manifestaram preocupação com a nomeação, apontando que Cláudia esteve à frente de funções ligadas ao desmonte do Estado brasileiro no Governo FHC.

Em nota, assinada, entre outros pedagogos, pelos professores Gaudêncio Frigotto e Maria Aparecida Ciavatta Franco, ambos da Uerj, eles ressaltam que “a privatização do ensino público, a fragmentação do trabalho docente, a perda da autonomia dos professores, a submissão estrita aos cânones neoliberais têm sido implementados por Cláudia Costin à frente da Secretaria Municipal da Educação na cidade do Rio de Janeiro”.

A nota também afirma que o “autoritarismo didático e de conteúdos” implementado pela secretária “ampliam o abandono da educação básica da grande maioria da população, historicamente relegada à carência de escolas e, mais recentemente, à desqualificação da educação nas escolas existentes”. Além disso, denuncia que, no Rio de Janeiro, “professores, gestores e funcionários têm sido alvo de aliciação pecuniária, os bônus financeiros, através de remuneração extraordinária pelo desempenho dos alunos, traduzido em um percentual de aprovação de alunos nas turmas e no conjunto da unidade escolar, como compensação aos baixos salários”.

Os professores ainda consideram que, “se confirmada Cláudia Costin à frente da Secretaria de Educação Básica, é esperada a descaracterização da educação fundamental e média com o apagamento do professor e do aluno como sujeitos históricos”. Por isso, uma petição pública está coletando assinaturas para dizer “Cláudia Costin, não!”.

Leia a petição contra a nomeação de Cláudia Costin para a SEB.

Fonte: Portal Aprendiz com Informações com Contee e MIEIB

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha