Notícias

Professores universitários repudiam violência contra colegas de profissão

17 de dezembro de 2010

O Sindicato dos Professores das Universidades Federais de Belo Horizonte e Montes Claros – APUBH – vem a público manifestar sua consternação com os lamentáveis episódios de agressão e até morte sofridos por professores no Brasil nos últimos meses. Toma-se como exemplo o episódio de agressão e morte do professor da Faculdade Izabela Hendrix, Kássio Vinícius Castro Gomes. O seu assassinato é o retrato mais aterrador de uma realidade cada vez mais opressiva e perigosa para os docentes brasileiros. Em 2010, vários foram os casos de agressão a docentes retratados nas páginas dos jornais, nos telejornais e demais veículos de comunicação. Foram episódios de agressões físicas, morais e verbais  que culminaram no afastamento de bons profissionais da sua área de trabalho.É lamentável que sejam necessários episódios como esse para que as autoridades e instituições privadas e públicas de ensino passem a refletir sobre as condições de trabalho dos docentes. São estes que, com trabalho árduo, dedicação, afinco e amor à profissão, conferem credibilidade às instituições e levam ao “destino final” sua carga de conhecimentos e experiências. São estes mesmos professores que, diariamente, têm de lidar com a cobrança por resultados, para atingir a meta de publicações, para envolver-se com atividades de extensão e de pesquisa. A isso somam-se os problemas com colegas de departamento, com o descaso da instituição com problemas pontuais, com as salas de aula super lotadas, falta de equipamentos e muitos outros. Numa sociedade em que os pais não têm conseguido ensinar a seus filhos o respeito aos limites, os alunos podem pensar que têm sempre razão. Assim, os professores tendem a se sentir abandonados à própria sorte e sofrem toda sorte de agressão. Isto porque precisam garantir o seu sustento, ou apenas dedicam-se por amor à profissão e por acreditarem no valor da educação e que mudanças precisam e podem ocorrer. Certo é que há um crescente aumento no número de afastamento de docentes das salas de aula por problemas de saúde como estresse, choque emocional, depressão e as agressões.É mister que se faça uma ampla discussão na sociedade sobre as condições do trabalho dos docentes e sejam tomadas decisões que garantam seu bem estar e segurança no exercício da profissão. Do contrário, corremos o risco de, a longo prazo, – por uma questão de segurança – implantarmos em todos os níveis do ensino a tão conhecida “progressão automática” sem restrições e limites, que entregará à sociedade uma legião de “doutores analfabetos”. É urgente que iniciemos um movimento nacional de proteção ao professor antes que tenhamos que reivindicar um “adicional de periculosidade” para que os professores possam continuar a enfrentar os “leões” dentro e fora das salas de aula no Brasil.Belo Horizonte, 14 de dezembro de 2010Sindicato dos Professores das Universidades Federais de Belo Horizonte e Montes Claros – APUBH

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Opinião Sinpro Minas
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha