Notícias

Professores/as vão fazer assembleia no dia 30 de abril

20 de abril de 2016

O impasse sobre a campanha reivindicatória 2016 dos professores do setor privado do Estado de Minas Gerais continua. O sindicato dos donos de escolas, na última reunião (19/04), continua sem definir o reajuste a ser repassado aos professores e sequer cogita pagar a correção inflacionária, patamar mínimo que os/as professores/as – em assembleia – aceitam para começar a negociar a campanha reivindicatória.

Lembramos que o reajuste no patamar inflacionário não significa aumento salarial, mas apenas recomposição das perdas ao longo do ano e qualquer reajuste abaixo disso é uma afronta à dignidade do trabalho dos/as professores/as.

Enquanto assistimos a boa parte das escolas com salas cheias e, nos cursos superiores, abarrotadas de alunos, e com reajuste das mensalidades bem acima da inflação – média de 13%  – o sindicato patronal sequer nos dá o respeito de conversar sobre recomposição salarial, quiçá ganho real. Mas o Sinpro Minas e os/as professores/as reiteram que não negociam recomposição salarial com perdas.

Sem falar nos diversos pontos da nossa pauta, que foram negados, tais como: equiparação do piso da educação infantil, regulamentação do trabalho na Educação a Distância, equiparação do piso da educação superior do interior com a capital, dentre inúmeros avanços que representam o anseio da nossa categoria bem como a qualidade da educação – que necessariamente passa pela valorização do trabalhador/a.

Algumas escolas da cidade de Belo Horizonte, e seu entorno, já adiantaram cerca de 60% do índice inflacionário aos/às professores/as – INPC (Índice de Preços ao Consumidor). O que não chega sequer ao patamar de recompor as perdas da inflação e o poder de compra dos salários. Isso significa apenas que, com esse ínfimo reajuste, os donos de escolas querem agir no sentido de inibir a mobilização da categoria para possíveis paralisações que intentem chegar no ponto mínimo da nossa pauta de reivindicações, que é a recomposicão das perdas inflacionárias. Significa também colocar professor/a contra professsor/a, uma vez que alguns já receberam reajuste e outros não.

Outro acinte, por parte do patronal, que devemos ressaltar, é o descumprimento de cláusula da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT), que garante a entrada de diretores do Sinpro Minas no ambiente escolar para dialogar com os professores nos horários de intervalo e que muitas escolas  têm negado esse acesso aos/às diretores/as do Sinpro Minas em flagrante descumprimento da CCT, ao não nos permitir comunicar com nossa categoria.

Nesse momento de ataques massivos à democracia brasileira e, consequentemente, aos direitos trabalhistas – a terceirização desmedida está em pauta e acelerada no Congresso Nacional e nos atingirá de forma cabal – devemos nos manter unidos. Somente a consciência e a unidade de classe nos farão avançar na nossa campanha reivindicatória e garantir a dignidade de trabalhadores/as do setor privado da educação de Minas Gerais.

Convocamos a todos/as para nossa assembleia dia 30 de abril, às 14 horas, no Sinpro Minas. Nessa assembleia discutiremos as táticas e os rumos da nossa mobilização.

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha