Notícias

Prouni no ensino médio é retrocesso inconcebível

13 de janeiro de 2011

Durante seu discurso de posse, no Congresso Nacional, a presidenta Dilma Rousseff comprometeu-se em melhorar a qualidade da educação básica e a aumentar o acesso à educação infantil e ao ensino médio – dois compromissos louváveis. Contudo, com relação ao ensino médio profissionalizante, a presidenta cogitou estender a experiência do ProUni para esta modalidade, em complemento aos investimentos já iniciados na área de expansão da rede de Escolas Técnicas e de criação dos Institutos Federais de Educação Profissional e Tecnológica. Não obstante a CNTE aplaudir a disposição do governo federal em manter e aumentar os investimentos na educação básica – nível de ensino de competência prioritária de estados, municípios e do Distrito Federal –, não podemos concordar com uma possível extensão do ProUni ao ensino médio profissionalizante, uma vez que compete ao Estado garantir a oferta pública para a universalização das matrículas da pré-escola ao ensino médio, até 2016, conforme determina a Emenda Constitucional nº 59. Ademais, mesmo não contrariando direito recentemente conquistado pela sociedade – de acesso obrigatório e gratuito à educação básica –, a extensão da compensação tributária para escolas particulares da educação básica, além de assegurar mercado a essas instituições desvirtua o princípio constitucional de prevalência da oferta pública para o ensino obrigatório. Cabe esclarecer que a CNTE é favorável ao ProUni na qualidade de programa emergencial e temporário, cujo objetivo consiste em ampliar o acesso de jovens – sobretudo das classes menos abastadas – no ensino superior, que não conta com a prerrogativa da obrigatoriedade do Estado. E a ampliação das vagas públicas em Universidades e Institutos Tecnológicos tem ido ao encontro da garantia do direito de todo/a brasileiro/a à educação pública, gratuita, plural, democrática e de qualidade socialmente referenciada – princípios nem sempre assegurados pela rede privada e que acabam por segregar a formação de cidadãos numa sociedade regida cada dia mais pelo conhecimento. Por último, vale destacar que a referida proposta não integra o plano de governo da presidenta Dilma, podendo a mesma ser considerada um perigoso desvio rumo à agenda neoliberal de um Governo tido como democrático e popular. (CNTE)

Fonte: CNTE

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha