Notícias

Reajuste abaixo da inflação é uma afronta à dignidade dos professores

19 de abril de 2016

No dia 9 de abril, os/as professores/as de escolas do setor privado da região MG realizaram assembleia para avaliar a campanha reivindicatória 2016. A próxima assembleia acontecerá no dia 30 de abril, às 14 horas, no Sinpro Minas. Mesmo com a data-base sendo em 1º de abril, o patronal, até hoje, não apresentou uma contraproposta para as reivindicações da categoria. Na última reunião, ocorrida no dia 5 de abril, o Sinep/MG, sem informar qual será o índice, ainda sinalizou que poderá fazer uma proposta de parcelamento do reajuste, a ser pago em abril e outubro.

Parece que o clima golpista que assola o país – os constantes ataques à democracia e aos direitos trabalhistas – contaminou os integrantes do sindicato patronal, pois diante da crise mundial do capitalismo, eles querem transferir todo o ônus das perdas financeiras para os/as professores/as, uma vez que sequer sinalizam algum índice para reajuste salarial. Consideramos isso um golpe à dignidade dos/as trabalhadores/as.

O reajuste salarial que recompõe as perdas pela inflação é o patamar mínimo para se iniciar qualquer negociação, pois isso não significa aumento salarial de fato. É importante frisar que os reajustes das mensalidades escolares são fixados todos os anos acima da inflação – esse ano, a mensalidade aumentou em média 13%. Ou seja, o patronal sempre chama para si o bônus do contexto político e econômico e impõe aos/as trabalhadores/as o ônus dessa conta.

No contexto atual, de constantes ataques à democracia brasileira, vemos nossas instituições democráticas sendo duramente golpeadas por aqueles que se opõem aos direitos dos/as trabalhadores/as e querem a todo custo diminuí-los para garantir seus altos lucros. Deixar ruir as instituições democráticas brasileiras significa aceitar a precarização do mundo do trabalho, da Justiça do Trabalho e, fundamentalmente, da CLT – Consolidação das Leis Trabalhistas. Não nos esqueçamos que a grande pauta desse Congresso Nacional é a terceirização desmedida e ilimitada, que põe por terra os direitos trabalhistas a duras penas conquistados, assim como toda e qualquer convenção coletiva assinada pelos sindicatos, com vistas à precarização do trabalho. A maioria dos juízes do Trabalho, assim como o Ministério Público do Trabalho, estão cientes dessa tremenda ameaça aos direitos trabalhistas e têm dado o alerta sobre as consequências graves e irreparáveis que essa pauta provocará à classe trabalhadora.

Diante desse cenário político e da situação da campanha reivindicatória explicitada pela comissão de negociação do Sinpro Minas, a assembleia reafirmou a pauta entregue ao patronal em novembro de 2015, onde consta a recomposição pelo INPC e aumento real, entre outros pontos que sequer foram discutidos. Os/as professores/as não aceitam negociar índices abaixo da inflação, muito menos qualquer proposta de parcelamento.

Todos/as os/as professores/as devem se mobilizar em defesa das bandeiras democráticas e fundamentalmente da nossa campanha reivindicatória, que, especialmente este ano, está ainda mais árdua. Contamos com a unidade e a consciência classista de todos/as!

Vamos à luta: em defesa da democracia, da garantia dos direitos dos/as trabalhadores/as e na campanha salarial que garanta a dignidade dos/as professores/as do setor privado do Estado de Minas Gerais!

Assembleia de Professores 

30 de abril, às 14 horas

Local: Sinpro Minas – Rua Jaime Gomes, 198 – Floresta

Pauta: Campanha reivindicatória – Avaliação de paralisação das atividades docentes

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha