Notícias

Rede públicaSindicato denuncia repressão à greve

6 de setembro de 2011

O Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-Ute/MG) e deputados estaduais denunciaram nesta terça-feira (6/9) que diretores da entidade estão sendo perseguidos e intimidados por policiais militares à paisana, em função da greve da categoria. Nesta manhã, o deputado estadual Rogério Corrêa foi à sede do sindicato, em Belo Horizonte, e abordou um homem que estava num veículo próximo ao local. Ao ser questionado por que estava lá, ele não quis se identificar nem falar sobre o assunto. Tentou arrancar o carro mas, como não conseguiu, desceu e deixou o lugar a pé. O parlamentar chegou a acionar a Polícia Militar, que se recusou a ir para o local. “Nós ligamos duas vezes para a Polícia Militar pedindo uma viatura para identificar de quem é esse carro e os problemas que isso pode acarretar. Liguei direto para o comandante geral da Polícia Militar, o Coronel Renato [Vieira de Souza], e ele disse que não iria enviar uma viatura pois eu estava querendo criar um fato político. A obrigação dele é vir aqui e verificar o que está acontecendo e de quem é esse carro”, informou o deputado, em entrevista à TV Alterosa (veja vídeo abaixo). De acordo com o Departamento Nacional de Trânsito (Detran), as placas dos veículos que estavam próximos ao sindicato são de carros oficiais e, numa consulta ao site do órgão, constam como “veículos de consulta restrita”. O deputado Durval Ângelo, presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa, disse que, das três placas registradas, duas foram confirmadas como sendo da PM, e a outra é desconhecida. Segundo depoimentos de moradores da região, a vizinhança está apreensiva com a presença constante de “desconhecidos rondando as ruas do bairro”.    A coordenadora-geral do Sind-Ute/MG, Beatriz Cerqueira, relatou que os sindicalistas estão sendo monitorados e seguidos por policiais descaracterizados há cerca de 10 dias, e um dos diretores teve a casa apedrejada no último domingo. Em depoimento à imprensa local, ela disse desconfiar de que seu celular estaria grampeado e afirmou estar receosa com a situação. Para o presidente do Sinpro Minas, Gilson Reis, o episódio agride a liberdade de organização dos trabalhadores, prevista na Constituição Federal. “Repudiamos de forma veemente essa postura, que demonstra de forma inequívoca a maneira de agir do governo de Minas, ou seja, com repressão, ameaças e intimidação, além do desrespeito aos direitos constitucionais e aos trabalhadores. O governador promoveu um ataque à democracia, o que nos deixa bastante preocupados, pois remonta ao período da ditadura militar, quando a liberdade era cerceada”, destacou Gilson Reis, que reafirmou o apoio do Sinpro Minas à greve da categoria.  A Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa informou que vai pedir ao Ministério Público proteção para os diretores do Sind-Ute/MG. Nova assembleia dos trabalhadores em educação da rede pública estadual será realizada nesta quinta-feira (8/9), às 14 horas, no pátio da Assembleia Legislativa de Minas Gerais, para deliberar sobre o rumo da greve, iniciada em 8 de junho. Com informações do Uai, G1 Minas e TV Alterosa
 


var ua=navigator.userAgent;var html5=/iPad/i.test(ua)||/iPhone/i.test(ua);if(html5){document.getElementById(‘d_target_140018’).innerHTML=”;}

  • Confira também esta reportagem da TV Alterosa sobre a falta de valorização dos professores da rede pública estadual.  

var ua=navigator.userAgent;var html5=/iPad/i.test(ua)||/iPhone/i.test(ua);if(html5){document.getElementById(‘d_target_139840’).innerHTML=”;}

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha