Notícias

Reforma da Previdência representa o fim da aposentadoria

Defensa seu direito à aposentadoria participando da greve geral do dia 14

greve-geral1

Atenção trabalhador, atenção trabalhadora!

A proposta de reforma da Previdência do governo Bolsonaro acaba com as aposentadorias públicas e privatiza o sistema previdenciário brasileiro. Se for aprovada no Congresso, a maioria da nossa classe trabalhadora perderia o direito à aposentadoria. Além disso, impõe inúmeros outros retrocessos.

Entre eles, a fixação da idade mínima; 40 anos de contribuição para receber 100% do valor do benefício; aumento do tempo de trabalho para gozar a aposentadoria (em particular para as mulheres e trabalhadoras rurais) e corte do Benefício de Prestação Continuada (pessoas extremamente pobres e deficientes terão o benefício reduzido de R$998 para R$400).

O governo quer jogar sobre as costas da classe trabalhadora todo o ônus da crise econômica pela qual na verdade é o principal responsável, junto com banqueiros e grandes empresários nacionais e estrangeiros, que serão os únicos a lucrar com as mudanças nas regras da aposentadoria.

A reforma vai provocar um empobrecimento ainda maior do povo brasileiro. Ao contrário do que alardeiam o Palácio do Planalto e a mídia capitalista, isto vai agravar o drama do desemprego em massa e os problemas nacionais, a exemplo do que ocorreu após a reforma trabalhista e a terceirização irrestrita.

O sistema previdenciário brasileiro é o maior programa de distribuição de renda da América Latina e mais de 4 mil municípios do país dependem dos recursos da aposentadoria para sobreviver. A capitalização, que não deu certo em lugar nenhum do mundo, vai privatizar o sistema e destruir tudo isto. Os efeitos da capitalização são notórios do Chile hoje: mais de 90% dos aposentados recebem menos da metade do salário mínimo e o índice de suicídio de idosos aumentou substancialmente, batendo todos os recordes.

Existem outros caminhos para retornar o crescimento da economia e contornar o desequilíbrio fiscal. Entre as medidas necessárias neste sentido destacam-se:

Taxação das grandes fortunas e dos lucros e dividendos apropriados por rentistas, sobretudo os lucros remetidos pelas transnacionais ao exterior em detrimento dos investimentos internos;

Cobrança da dívida dos empresários com o INSS, que alcança mais de R$400 bilhões

Fim das desonerações e da DRU (Desvinculação das Receitas da União), que subtraem recursos do orçamento público e da Seguridade Social;

Reforma Tributária progressiva que onere o capital financeiro e desonere o trabalho e a produção;

A reforma que o governo pretende aprovar no Congresso Nacional é contrária aos interesses do povo e da nação brasileira, razão pela qual é repudiada pelas centrais sindicais, pelos parlamentares comprometidos com a classe trabalhadora, pelos movimentos sociais e setores democráticos e progressistas do nosso país. É um retrocesso que temos a obrigação de barrar.

Seja consciente! Defenda seu direito à aposentadoria. Participe da greve geral do dia 14 de junho e das manifestações convocadas pelo movimento sindical contra a reforma da Previdência do governo Bolsonaro.

CTB (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil)

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha