Notícias

Retirada dos termos “gênero” e “orientação sexual” da Base é criticada na ONU

2 de junho de 2017

O Brasil passou por mais uma Revisão Periódica Universal (RPU), ocasião em que um país é avaliado pelos demais membros da Organização das Nações Unidas (ONU) em questões ligadas a Direitos Humanos. A situação da Educação brasileira foi um dos alvos de críticas nas sessões, realizadas no início de maio, inclusive com menções à retirada dos termos “gênero” e “orientação sexual” do texto da Base Nacional Comum Curricular.

Um dos países a citar o caso foi a Finlândia. No documento final da RPU, a recomendação finlandesa ao Brasil foi “Continuar a tomar medidas para desenvolver as leis e políticas em nível federal, estadual e municipal para punir e prevenir crimes de ódio e discriminação contra a população LGBT”. O comentário foi mais amplo, mas a Educação foi especificada na apresentação dos relatório.

“Essa medida fere os princípios básicos da Educação, que garante a igualdade entre os alunos. Se você tem uma política excludente, que favorece o bullying, jamais conseguirá combater a discriminação”, comentou Maria Rehder, coordenadora de projetos da Campanha Nacional pelo Direito à Educação. Ela esteve em Genebra, Suíça, local de realização da RPU, e participou das conversas com as embaixadas dos países que avaliaram o Brasil.

“Isso é bom porque obriga as autoridades a se explicarem sobre o assunto. Um exemplo foi o alerta sobre o Escola Sem Partido e os debates sobre as questões de gênero. Isso pode influenciar na finalização da BNCC”, comenta Fernanda Lapa, coordenadora executiva do Instituto de Desenvolvimento de Direitos Humanos (IDDH).

A observação segue a linha do Comitê pelos Direitos das Crianças, órgão da ONU que já havia alertado para esta questão em relatório sobre o Brasil divulgado em 2015. “O Comitê está seriamente preocupado que estratégias que visam eliminar a discriminação baseada em gênero, orientação sexual e raça tenham sido removida dos planos de Educação de diversos estados. Além disso, está preocupado com atitudes patriarcais e estereótipos de gênero que levam a discriminação contra garotas e mulheres.”

onu-reuniao

As questões de gênero e orientação sexual não foram as únicas apontadas pela RPU. O baixo investimento em políticas que podem interferir na implementação do Plano Nacional de Educação (PNE) foi criticado. A representação chinesa, por exemplo, recomendou melhoria na estrutura escolar, com destaque para as áreas rurais. No Censo Escolar de 2015, foi constatado que apenas 4,5% das escolas tinham a infraestrutura completa prevista em lei. Em 37,9% delas não havia nem saneamento básico.

Veja outros pontos ligados à Educação apresentados na RPU do Brasil (entre parênteses, o país responsável pela recomendação):

– Assegurar que todos os crimes de ódio contra pessoas LGBT sejam investigados e julgados e procurar reduzir o ódio incorporando Educação de Direitos Humanos no currículo escolar (Canadá);

– Tomar todas as medidas necessárias para reduzir a taxa de assassinatos entre homens afro-brasileiros, particularmente por meio de programas educacionais robustos e adaptados às suas necessidades (Haiti);

– Promover, na legislação e na prática, a inclusão de afro-descendentes no sistema educacional e no mercado de trabalho (Honduras);

– Continuar a tomar medidas para melhorar a qualidade da Educação, reduzindo a desigualdade da Educação causada pelo poder aquisitivo e o status social (Japão);

– Implementar Educação intercultural de alta qualidade (Peru);

– Melhorar a qualidade da Educação Pública, particularmente para quem vive abaixo da linha de pobreza e os afro-brasileiros, com foco na saúde psicológica e integrando elementos psicossociais para atingir um melhor nível de aprendizado (Haiti);

– Continuar os esforços para eliminar a discriminação, incluindo a racial, na Educação (Indonésia);

– Estabelecer planos promovendo uma Educação inclusive de minorias étnicas que têm altos níveis de evasão escolar (Paraguai).

O Brasil terá até setembro para acatar ou não as recomendações. Após essa decisão, serão necessárias políticas de implementação dessas melhorias.

Fonte: Contee ( com Nova Escola) 

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha