Notícias

Seminário da Diretoria debate negociações, lutas e perspectivas

2 de março de 2024

A segunda parte do Seminário da Diretoria do Sinpro Minas tratou das negociações, convenções coletivas, lutas travadas pelo Sindicato e perspectivas para a Campanha Reivindicatória 2024/2025. 

O advogado trabalhista Magnus Farkatt – que participou da mesa “Negociações Coletivas na história e na atual conjuntura” – destacou dois temas para os quais os sindicalistas devem se atentar: as negociações coletivas e o sistema de financiamento sindical. Para Magnus, que é assessor jurídico da CTB, a mudança do governo Bolsonaro para o governo Lula abriu um cenário mais favorável aos trabalhadores e aos sindicatos. “Se queremos mais conquistas e mais direitos, é preciso aproveitar esse cenário para fortalecer tanto as negociações coletivas quanto o sistema de financiamento”, afirmou o advogado.

Duas diretoras – a 1ª vice-presidenta Thaís D’Afonseca e a 1ª tesoureira Telma Santos – participaram da mesa “As CCTs e os Acordos Coletivos do Sinpro Minas”. O objetivo foi apresentar os instrumentos normativos que são negociados pela entidade.

Segundo Thaís, as CCTs (Convenções Coletivas do Trabalho) são firmadas entre entidades sindicais – em geral, um sindicato trabalhista e um sindicato patronal. Já os ACTs (Acordos Coletivos do Trabalho) são frutos de negociações coletivas entre o sindicato e uma ou mais empresas. “Como a reforma trabalhista, de 2017, fez prevalecer o negociado sobre o legislado, um dos desafios do Sinpro é impedir que os patrões usem convenções e acordos para retirar direitos garantidos por lei”, afirmou a dirigente.

Telma lembrou que não há uma data-base unificada para o conjunto da categoria em Minas Gerais. Tampouco existe um instrumento normativo geral, válido para os 852 municípios que integram a base territorial do Sinpro. “São sete CCTs (Minas Gerais, Nordeste, Norte, Triângulo, Sudeste, Poços de Caldas e Sindilivre), além de três ACTs (Sesi, PUC Minas e Unipac)”, afirmou. 

A presidenta do Sinpro, Valéria Morato, fez uma retomada das principais lutas enfrentadas pelo Sindicato. A resistência ao golpe de 2016, às reformas trabalhista e da previdência, e a luta pela saúde dos professores e por vacina durante a pandemia de Covid-19 foram algumas das batalhas apresentadas pela dirigente. 

Os ataques aos trabalhadores e retirada de direitos, bem como à Educação, se tornaram uma constante após 2016. Com a aprovação da reforma trabalhista, que retirou força do movimento sindical, passamos a lutar para manter nossos direitos e as negociações foram endurecidas”. Para ela, a pandemia consolidou a situação. “Os empresários passaram a usar o período pandêmico para justificar a desvalorização da nossa categoria.”

Apesar das adversidades, os direitos da categoria foram mantidos durante esse período, e novas lutas foram incorporadas às reivindicações dos professores. “Estamos atentos a assuntos como excesso de trabalho, direito de imagem, direito à desconexão e saúde mental dos docentes, entre outros que surgem a partir das mudanças tecnológicas e das formas de trabalho”.

A professora Celina Arêas fechou o primeiro dia do Seminário com as perspectivas da Campanha Reivindicatória 2024/2025. “Temos que entrar na campanha acreditando que é possível conquistar, é possível recuperar perdas. Para isso, a formação é imprescindível, ninguém luta por aquilo que não conhece”, afirmou. Ela, que também é Secretária Nacional da Mulher Trabalhadora da CTB, mostrou que ainda existem diferenças salariais entre professores e professoras do setor privado. “É um desafio que precisamos enfrentar”. 

O 1º Seminário da diretoria eleita do Sinpro Minas (Gestão 2024-2028) vai até domingo (3). 

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha