Notícias

Seminário de planejamento

13 de março de 2012

Diretoria debate a conjuntura e os desafios da gestão

         A nova diretoria do Sinpro Minas se reuniu, nos dias 10 e 11 de março, durante o seminário de planejamento que discutiu propostas e desafios para a gestão (2012/2016) do Sindicato. O seminário começou com a análise da conjuntura educacional feita pela coordenadora geral da Contee, Madalena Guasco. A professora ressaltou a necessidade de pensar a educação de forma estratégica e associada ao projeto de desenvolvimento do país. Madalena explicou que o setor privado atua politicamente, em várias instâncias, para impedir melhorias no ensino público. “Para mudar essa realidade é necessário realizar reformas estruturais no país, entre elas, a educacional”.

Segundo a dirigente da Contee, com a redemocratização do país, muitos avanços foram conquistados, como o entendimento constitucional de que a educação é um direito, a manutenção do sistema público, autonomia universitária e a abertura de um campo para a inclusão. No entanto, ela também aponta aspectos negativos como a abertura do sistema educacional à iniciativa privada, a falta de regulamentação desse sistema. “Temos um sistema complexo, e, é bom lembrar que existe crise em quase todos os segmentos de ensino. Nos últimos anos, o processo de desvalorização dos trabalhadores em educação foi acentuado, as instituições públicas de ensino superior foram sucateadas, o ensino fundamental foi universalizado sem qualidade, descompromisso público com a educação superior, médio-profissional e infantil. Também aconteceu um enfraquecimento do MEC”.

De acordo com Madalena Guasco, o projeto neoliberal implantado no Brasil nos anos 90 trouxe uma legislação muito contraditória para o setor educacional. Na Lei de Diretrizes e Bases, por exemplo, a concepção de universidade foi rebaixada, houve dissociação entre ensino, pesquisa e extensão, além de prever exigências diferenciadas para as redes pública e privada. Madalena ressalta que o próprio projeto do Plano Nacional de Educação (PNE) coloca a responsabilidade do crescimento da educação superior nas mãos da iniciativa privada. Com meta de crescimento de 30%. Hoje, cerca de 80% das instituições de ensino superior são particulares.

 

Conjuntura econômica

 

A segunda exposição foi feita pela professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro/UFRJ e doutora em Economia, Denise Gentil, no painel “Conjuntura econômica e projeto nacional de desenvolvimento. Onde está a ameaça?”. A professora falou que a Europa nunca esteve tão à direita e que o neoliberalismo não foi derrubado pela crise econômica internacional. Segundo ela, há um efeito dominó que atinge o Brasil. “Em 2011, a indústria brasileira, que está sendo primarizada, sofreu um tombo. O Banco Central começou a reduzir a taxa de juros, mas o estrago já havia sido feito. O resultado foi o crescimento do PIB em apenas 2,7%”, critica.

 

 Denise explica que quanto mais a economia é desacelerada, mais dificuldades o governo tem para oferecer serviços públicos para a população. “Os gastos com os pobres geram lucro para as empresas e a economia cresce. O problema é que eles [elite] não querem isso por medo da classe trabalhadora aumentar as suas reivindicações e complicar a vida de quem domina a economia”, avalia.

 

A economista ressaltou os eixos do padrão de crescimento econômico pós 2004 como a expansão do crédito para pessoas física e jurídica, com forte intervenção dos bancos públicos, retomada dos investimentos públicos e o aumento da rede de proteção social e elevação dos benefícios previdenciários e assistenciais. Ela também destacou o crescimento de 73% do salário mínimo como um fato histórico. “Essa foi a grande descoberta da economia, pois o dinamismo que se criou, segurou o Brasil na hora da crise”.

 

Denise defende o crescimento dos salários como forma de redução da pobreza. “O que fizeram neste país foi uma coisa criminosa. A participação dos salários no PIB (Produto Interno Bruto) é hoje a metade do que era nos anos 60”, esbravejou. “Precisamos reivindicar investimentos na sociedade, pois só assim o nosso salário vai crescer. É preciso ter um olhar sobre a estrutura do capitalismo no país”, complementou. Após falar sobre as vantagens do novo padrão de crescimento brasileiro com baixa inflação, sem endividamento e com acúmulo de reservas internacionais, ela recomendou aos professores: “incorporem à luta de vocês as questões mais gerais da economia para que as reivindicações específicas possam ser viáveis”.

 

Impactos da crise

 

Na primeira mesa da tarde de sábado, Nivaldo Santana, vice-presidente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), fez uma análise da conjuntura internacional e os impactos da crise financeira global no Brasil. “A maior potência do mundo, os EUA, estão em declínio e perdendo terreno. A base desse esgotamento é a perda de dinamismo de sua economia. Em contraposição, novas forças estão surgindo, com destaque para a China, hoje a segunda maior economia do mundo”, afirmou Santana.

 

Segundo ele, Brasil e os países da América Latina “podem fazer da crise uma oportunidade”, caso ampliem os investimentos em setores estratégicos, como o de infraestrutura e a área social. “O grande drama do Brasil é que a política macroeconômica é bastante conservadora”, disse, ao criticar a política de juros adotada pelo Banco Central. Na última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), na quarta-feira (7/3), a taxa básica de juros da economia brasileira foi reduzida em 0,75%. Mas apesar da queda, continua a mais alta do mundo (9,75%), reduzindo o dinamismo do mercado interno.

 

A situação em Minas

 

Na segunda mesa da tarde de sábado, o presidente do Sinpro Minas, Gilson Reis, abordou a conjuntura política e econômica estadual. “Minas Gerais é a terceira economia do país e a nona em distribuição de renda”, criticou. Segundo ele, a economia mineira está concentrada nos setores de mineração, siderurgia e agronegócio, o que dificulta a distribuição de renda e concentra a riqueza numa pequena parcela da sociedade. “Nossa economia precisa se diversificar, se tornar dinâmica”, destacou.

 

Gilson Reis também criticou o “choque de gestão” anunciado pelo ex-governador Aécio Neves. De acordo com ele, o programa, ainda em prática na gestão atual, serviu para aumentar a arrecadação tributária e diminuir os investimentos em áreas essenciais para o desenvolvimento do estado, como a saúde, a educação e o transporte. Ele disse ainda que, apesar da queda no percentual de recursos destinados a esses setores, a dívida do estado cresceu. “Em 2003, a dívida pública de Minas era de R$ 22 bilhões. Em 2010, esse montante saltou para R$ 60 bilhões”, afirmou.

 

Já o professor e pesquisador Anízio Bragança traçou um panorama das políticas educacionais em Minas Gerais. Professor efetivo da rede estadual de ensino e mestre em Educação pela Universidade Federal de Uberlândia – com estudo sobre as políticas educacionais adotadas no estado entre 2003 e 2010 –, Bragança apontou que a gestão do ex-governador Aécio Neves acentuou a precarização do trabalho dos profissionais do setor, com corte de benefícios e diminuição de investimentos. Trata-se, segundo explica, da adoção de políticas de inspiração neoliberal, extraídas da iniciativa privada.

 

“Aos poucos, o governo Aécio foi construindo um sistema que permitisse a responsabilização exclusiva dos profissionais da escola pelo sucesso ou fracasso escolar, à medida que passou a só cobrar deles as alternativas e formulação de projetos para atingir os objetivos institucionais. Por outro lado, foi aumentando o tempo de trabalho em cada inovação apresentada, sem reconhecer ou pagar pelo tempo extraordinário desenvolvido”, afirmou o pesquisador em seu estudo. Segundo ele, o atual governador, Antonio Anastasia, tende a aprofundar tais políticas educacionais, já que ele foi um dos mentores dessas propostas.

 

 

 

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Opinião Sinpro Minas
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha