Notícias

Sinpro Minas participa de lançamento da Frente Parlamentar em Defesa da Educação

A presidenta do Sinpro Minas, Valéria Morato, participou, nessa segunda-feira (18/11), do lançamento da Frente em Defesa da Educação, das Educadoras e Educadores e da Democracia, durante audiência na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG).

Entidades estudantis e representativas dos trabalhadores nas redes de ensino pública e privada, pais de alunos, deputados federais e estaduais, vereadores e membros de instituições da sociedade civil organizada integram a frente, cujo objetivo é defender a educação no estado, por meio de um projeto pedagógico democrático, inclusivo e que valorize e respeite os profissionais do setor.

“A luta por uma educação de qualidade, democrática e socialmente referenciada, que promova o reconhecimento de nossa complexa e diversa identidade social, deve se expressar na defesa intransigente de seu caráter laico e inclusivo”, diz o texto do manifesto de lançamento da Frente.

Na audiência, Valéria Morato denunciou a chamada PEC do Pacto Federativo, proposta de emenda constitucional enviada recentemente ao Congresso pelo governo Bolsonaro. Há, nessa proposta, um trecho que desobriga o poder público de expandir sua rede de escolas em regiões com carência de vagas para alunos.

Com isso, pretende-se ampliar a participação do ensino privado no país, por meio da oferta de bolsas de estudos, conhecidas como vouchers.

Atualmente, a Constituição estabelece que o governo é obrigado a investir prioritariamente na expansão de sua rede de ensino quando houver falta de vagas e cursos regulares da rede pública em uma localidade. Se a proposta do governo Bolsonaro for aprovada, esse trecho será excluído da Constituição.

“É mais uma medida para retirar dinheiro da educação pública e destinar à iniciativa privada, em um estímulo à privatização do setor. Exclui ainda mais filhos de trabalhadores de regiões carentes, já excluídas. Isso comprova o descompromisso com a educação pública, uma falta de entendimento de que é a educação que vai fazer o país se tornar soberano. Lutamos muito para que a Constituição de 1988 garantisse uma educação pública para todos. Então essa proposta significa um retrocesso de décadas”, criticou Valéria Morato.

“Defendemos uma educação pública, gratuita, de qualidade, laica, socialmente referenciada e para todos. A educação privada deve existir como uma alternativa para aqueles que buscam outros parâmetros, para além daqueles estabelecidos pela legislação educacional em vigor”, completou a presidenta do Sinpro Minas.

A partir de agora, a Frente vai fazer reuniões para discutir a pauta de ações a ser encaminhada tanto nos parlamentos quanto em outros espaços da sociedade.

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha