Notícias

Sinpro Minas repudia perseguições e ameaças aos professores

19 de dezembro de 2023

O Sinpro Minas repudia de forma veemente as perseguições e ameaças aos professores e professoras que participaram das mobilizações e da greve pela garantia dos seus direitos, na campanha reivindicatória de 2023.

O sindicato tem recebido diversas denúncias dessas condutas antissindicais por parte das escolas. Há, inclusive, casos de demissões, o que contraria a atual Convenção Coletiva de Trabalho (CCT MG), assinada neste ano, cuja cláusula 55º garante “nenhuma punição por motivo de participação na greve”. Tais condutas também afrontam a Constituição Federal, que em seu artigo 9º assegura o amplo exercício do direito de greve aos trabalhadores brasileiros.

Há um evidente intuito de enfraquecer a atuação sindical e a luta dos professores e professoras por melhores condições trabalho, que aumenta a cada ano, devido à insatisfação da categoria com o ambiente laboral nas escolas.

Ressalte-se que as denúncias feitas pelos docentes são invariavelmente acompanhadas de relatos de condições inadequadas de trabalho, baixos salários, excesso de cobranças, sobrecarga de atividades, desrespeito à legislação trabalhista, entre outras irregularidades.

Essa postura por parte das escolas está relacionada ao cenário de mercantilização da educação, em que os direitos dos docentes são tratados como custos a serem cortados, com o objetivo de ampliar a já elevada margem de lucro do setor. O que os donos de escolas querem é, além de aumentar a exploração, exercer o controle completo sobre os professores.

Trata-se, na verdade, de uma inequívoca prática de retaliação à categoria, que de forma corajosa aderiu ao movimento grevista e à mobilização, porque entendeu que o que estava em jogo era o futuro da carreira docente.

Temos observado que, infelizmente, os empresários do setor privado de ensino vêm sistematicamente abusando dessa prática autoritária, que constitui uma agressão a um dos direitos mais básicos do trabalhador: o de se organizar para reivindicar melhores condições de trabalho e vida. Seria muito mais coerente, por parte das escolas – que dizem formar cidadãos críticos para a sociedade –, respeitar a vontade e os direitos dos professores e professoras.

Felizmente, a história tem nos mostrado que a adoção dessas práticas antissindicais não tem sido suficiente para arrefecer a luta e a força da categoria nem diminuir a resistência e o desejo de avançar dos docentes.

Portanto, o Sinpro Minas reitera o seu repúdio a essa postura por parte das escolas e informa à categoria que já acionou o seu departamento jurídico, para que todas as providências sejam tomadas, com o objetivo de preservar os direitos dos professores e professoras do setor privado de ensino em nosso estado.

A luta continua!

COMENTÁRIO

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Opinião Sinpro Minas
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha