Notícias

Artigo: SOS ao Brasil e à educação

17 de outubro de 2018

*Por Madalena Guasco Peixoto

A mensagem circulou pelo WhatsApp, encaminhada, sobretudo, por eleitores de Jair Bolsonaro (PSL), mas também pelos simpatizantes de outras candidaturas que tentaram passar a ideia de uma pretensa novidade, como a de João Amoêdo (Novo): “Você que no próximo domingo vai votar em escola pública estadual, aproveita e beba água no bebedouro, passe pelo banheiro abandonado, depois entre na sala calorenta pra votar, com paredes deterioradas, verifique a estrutura das cadeiras e das mesas e lembre quais os governantes já tiveram a chance de fazer algo que foi dito nas campanhas e não fez… olhe também qual partido eles faziam parte (sic)”.

Pode parecer uma cobrança legítima por melhoria de infraestrutura, mas o texto esconde uma perversidade. Ao ser enviado precisamente por quem vota em projetos com intenções privatistas, a mensagem traz, na verdade, mais uma tentativa de desmoralização da escola pública e de justificar sua entrega aos interesses do mercado, como se a iniciativa privada fosse a grande solucionadora de todos os problemas. A proposta de distribuição de vouchers, por exemplo, disfarçada no plano de governo de Bolsonaro como “renda mínima”, mas defendida publicamente por seu filho, é uma dessas iniciativas que, sob o falso argumento de legar à família a escolha sobre a escola dos filhos, destrói a educação pública.

Foi o que aconteceu com o Chile, quando o Estado deixou de financiar diretamente as escolas e passou a subsidiar os próprios estudantes. O país submeteu as instituições de ensino à lógica do mercado, apostando numa competição entre elas — já que as escolas só receberiam as subvenções de acordo com a quantidade de estudantes (ou seja, de portadores de vouchers) — para melhorar a qualidade. O resultado, pela experiência chilena, é o inverso: escolas menores passam a sofrer com falta de recursos, insuficientes, por exemplo, para investir em infraestrutura (essa mesma que foi tema da mensagem disseminada no aplicativo de mensagens).

Leia Também:
A quem interessa o fracasso da educação brasileira?

A proposta de vouchers, contudo, não é a única nociva à educação presente no programa de Bolsonaro. Pelo contrário, são muitas. Uma delas é a militarização do ensino; outra é o macarthismo do movimento Escola Sem Partido e seus projetos de Lei da Mordaça, com os quais o candidato do PSL compactua ao defender que “conteúdo e método de ensino precisam ser mudados” e exigir “mais matemática, ciências e português, sem doutrinação e sexualização precoce”, além de prometer “expurgar a ideologia de Paulo Freire”. Há vários perigos entranhados aqui.

Escola não é quartel. E o que as experiências de militarização revelam, na verdade, não é um modelo de disciplina, mas, sim, de doutrinação (essa sim) antidemocrática, de submissão dos estudantes e de ensino de um conteúdo alienante. O candidato explicita seu desconhecimento total do papel da educação em uma sociedade democrática e o direito dos estudantes de construírem suas opiniões. Escancara também que segue as orientações do capital internacional que, enxerga o Brasil como país subserviente, ao qual não cabe a produção autônoma e crítica de conhecimento. O que esses interesses internacionais orientam para a educação brasileira e para os jovens trabalhadores é o conhecimento das chamadas “disciplinas básicas” ensinadas de forma rasa. Há que se destacar que não é essa a mesma orientação que é dada para os chamados países desenvolvidos e tampouco para as escolas dos filhos dos donos do capital.

Leia Também:
Militarização do ensino fere a Constituição

Na prática, o roteiro orquestrado pelo programa de Bolsonaro e do PSL é o da destruição da educação pública, gratuita, democrática, inclusiva e de qualidade socialmente referenciada. Se o lema do candidato é “Brasil acima de tudo”, valendo-se de um suposto nacionalismo, esse Brasil está longe de ser a nação soberana pela qual lutamos. Pelo contrário, está mais para um Brazil (com Z mesmo, como na música de Aldir Blanc e Maurício Tapajós) que, com sua violência, autoritarismo, ideias fascistas e propostas daninhas, está matando o Brasil.

Madalena Guasco Peixoto é coordenadora-geral em exercício da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimento de Ensino

Publicado em Carta Educação

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Opinião Sinpro Minas
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha