Notícias

‘Tesourômetro’ denuncia cortes de recursos para a pesquisa

24 de agosto de 2017

A cada hora, o setor de ciência e tecnologia (C&T) brasileiro perde cerca de R$ 500 mil em investimentos federais. Essa é a estimativa da Conhecimentos Sem Cortes, iniciativa que reúne pesquisadores, estudantes e professores de universidades federais e institutos de pesquisa contra os cortes no orçamento do setor.

O grupo inaugurou na tarde da última terça-feira, 18, durante o encontro “As universidades e os professores diante da crise brasileira”, o tesourômetro, um contador digital que prevê, em tempo real, o montante que o governo federal deixa de investir em ciência e tecnologia.

Segundo Tatiane Roque, presidente da Associação dos Docentes da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), onde foi inaugurado o primeiro tesourômetro, em 2015, a iniciativa tem o papel de sensibilizar a sociedade para a perda causada pela Emenda Constitucional 95. A proposta, aprovada no ano passado no Congresso Nacional, prevê que, nos próximos 20 anos, os investimentos na área da educação serão calculados de acordo com o índice inflacionário do ano anterior.

“São cortes em educação, ciência e tecnologia nas universidades e nos centros de pesquisa. Eles afetam diretamente o nosso futuro. Como a população não é informada, queremos levar esse assunto para a opinião pública. Acreditamos que podemos reverter esse quadro com o apoio da sociedade”, afirmou Tatiane.

Para estimar o total não investido, os cálculos realizados para as previsões incluíram montantes de cortes no orçamento do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTI), das universidades federais e da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). Para a presidente da SBPC, Helena Nader, a iniciativa do tesourômetro é importante porque a Emenda Constitucional põe em risco a continuidade da ciência brasileira nos próximos 20 anos.

“Ciência e educação precisam ser vistas como investimentos, não como despesas. Essa medida vai contra o que desejamos para o nosso país e por isso corremos risco. Nas últimas décadas, a ciência pôs o Brasil no rumo certo, e esses foram investimentos que não podem ser interrompidos”, destaca.

O ex-ministro de Ciência e Tecnologia, Clelio Campolina Diniz, também demonstrou preocupação com o futuro da ciência brasileira. Ele explicou que a história do desenvolvimento da humanidade mostra que, para evoluir, a sociedade precisa produzir conhecimento, algo que se torna mais difícil com os cortes nos campos de educação e C&T.

“O mundo passa por uma corrida científica e tecnológica sem precedentes, e é impossível não fazermos parte deste processo. Há que se controlar a crise financeira pela qual o país passa, mas não podemos fazer um controle cego, passar a régua nos gastos de forma linear e não planejada.” Ele destacou que o Brasil já está ficando atrás de outros países que, antes, não ocupavam posição de destaque na pesquisa mundial.

“A Coreia do Sul, por exemplo, já gasta 4% do seu orçamento com ciência e tecnologia, enquanto nós gastamos menos de 1%. E, como a previsão é que esse valor diminua mais ainda, corremos o risco de ficarmos fora da corrida científica mundial.”

Para o diretor do Colégio Técnico da UFMG (Coltec), Giovane Azevedo, além das pesquisas de ponta, que correm o risco de serem interrompidas com os cortes, o ensino técnico e profissionalizante também sofre. “A questão financeira passou a prevalecer sobre o cidadão, com a interrupção de projetos e contratos. O tesourômetro é uma iniciativa importante para evitar que a estrutura que temos hoje seja comprometida.”

O reitor Jaime Arturo Ramírez destacou a importância da universidade sediar o segundo tesourômetro do país, campanha que ele acredita ser importante para o setor de ciência e tecnologia nacional. “O tom da abertura da 69ª Reunião da SBPC mostrou que passamos por um momento difícil. A ciência e a tecnologia nos une, e a UFMG sempre foi clara em sua posição: a Emenda 95 precisa ser derrubada porque é um retrocesso em relação à Constituição de 1988. O conhecimento não pode sofrer cortes, e essa campanha precisa ganhar corpo”, conclamou.

Fonte: UFMG

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha