Notícias

Trabalhadores e capital produtivo criticam moleza do Copom

30 de abril de 2009

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central reduziu a taxa básica de juros em 1 ponto percentual. Com isso, a Selic cai de 11, 25% para 10,25%. Foi a terceira redução consecutiva da taxa, mas trabalhadores e empresários produtivos repudiaram a redução do ritmo, defendendo pelo menos um novo corte do mesmo tamanho do efetuado em março, de 1,5 ponto.

Em nota distribuída agora há pouco, o colegiado justificou secamente a medida: “Avaliando o cenário macroeconômico e visando ampliar o processo de distensão monetária, o Copom decidiu reduzir a taxa Selic para 10,25% ao ano, sem viés, por unanimidade”. Na próxima semana o Banco Central divulga a ata da reunião de hoje esplicando os motivos que levaram à decisão.

A taxa de 10,25% ao ano é o menor nível já estabelecido pelo Copom desde dezembro de 1997 – a taxa de juros básica, a Selic, foi criada em julho de 1986. As três reduções de 2009 foram atribuidas ao impacto da crise econômica global. Antes, o BC elevara a taxa, entre março e setembro de 2008, mantendo-a depois congelada em 13,75%, até dezembro, no que foi considerado um erro de viés ortodoxo.

A decisão desta quarta-feira também foi contestada por representantes das chamadas forças produtivas, trabalhadores e empresários não ligados à banca e à área financeira. A Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) lamentou a lentidão do Copom: “A decisão de reduzir o ritmo de queda da Selic é inconsistente com as condições da economia brasileira. É fundamental que sejam reduzidos os efeitos dacrise sobre a sociedade, principalmente através da redução do custo do crédito”, diz a nota da Firjan.Por sua vez, a CTB (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil) classificou a manutenção dos juros altos de “aberração”. A nota da central finaliza propondo bandeiras de luta: “Menos juros, mais desenvolvimento! Democratização do Conselho Monetário Nacional! Estabilidade no emprego! Crescimento com valorização do trabalho! Fora Meirelles!”. Veja a íntegra:

“O Copom (Comitê de Política Monetária do Banco Central) frustrou, mais uma vez, as expectativas das centrais sindicais e contrariou os interesses nacionais com a decisão de reduzir em apenas um ponto percentual a taxa básica de juros (Selic), que ficou em 10,25% a.a e é ainda uma das maiores (senão a maior) do mundo em termos reais  (deduzida a inflação). Com esta conduta, o comitê em nada contribui no combate à crise econômica exportada pelos EUA e, muito pelo contrário, potencializa os seus efeitos, ao preservar uma política monetária conservadora que inibe os investimentos e o consumo.

A CTB (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil) repudia a decisão do Copom, que desperta indignação em amplos setores da nossa sociedade, incluindo parte substantiva do empresariado ligado à chamada economia real. A manutenção de juros reais altos e spreads de agiotas nos bancos já é uma aberração em períodos de expansão da produção. Revela-se ainda mais inaceitável em momentos de crise como a atual. A CTB conclama as centrais sindicais e os movimentos sociais a intensificar a luta por juros e spreads civilizados, visando o aquecimento da economia, a expansão da oferta de emprego e levantando, entre outras, as seguintes bandeiras:

Menos juros, mais desenvolvimento! Democratização do Conselho Monetário Nacional! Estabilidade no emprego! Crescimento com valorização do trabalho! Fora Meirelles! “

Já a Força Sindical, em nota assinada por seu presidente, Paulo Pereira da Silva, o Paulinho, considerou “um absurdo esta mesmice conformista dos tecnocratas do Banco Central”. Veja a íntegra:

“A queda na Taxa Selic de 1 ponto percentual, anunciada hoje, é muito tímida. Um pouco mais de ousadia traria enormes benefícios para o setor produtivo, que gera emprego e renda e anseia há tempos pelo crescimento expressivo da economia. É um absurdo esta mesmice conformista dos tecnocratas do Banco Central que insistem em reduzir os juros a conta gotas e se curvar aos especuladores. O governo não pode continuar com esta política de incentivo a usura no país.

Vale ressaltar que o país gasta uma verdadeira fortuna com pagamento de juros, quando precisamos urgentemente destes recursos para a saúde, educação, saneamento básico e moradia. Falta sensibilidade social ao governo, que insiste em manter a taxa Selic em patamares proibitivos para o setor produtivo.

Os membros do Banco Central insistem em contrariar os interesses nacionais. Entendemos que o cenário econômico está favorável a uma queda drástica na taxa básica de juros.”Fonte: Vermelho

 

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha