Notícias

UBM se solidariza com Dilma e rechaça agressão machista

16 de junho de 2014

 União Brasileira de Mulheres (UBM) divulgou nota de solidariedade à presidenta Dilma Rousseff e rechaço à agressão sofrida por ela durante estreia da seleção brasileira na Copa do Mundo, no último dia 12 de junho de 2014, em São Paulo-SP. A entidade também reforçou a coleta de assinaturas para o abaixo-assinado eletrônico de solidariedade à presidenta. Leia abaixo a nota da entidade e clique aqui para assinar o abaixo-assinado.

Nota de Solidariedade à Presidenta Dilma e Repúdio à agressão machista praticada contra ela durante a estreia do Brasil na Copa do Mundo de 2014

A União Brasileira de Mulheres vem a público manifestar sua irrestrita solidariedade à Presidenta Dilma Rousseff pela violência sofrida durante a estreia da seleção brasileira na Copa do Mundo, na Arena Corinthians, no último dia 12 de junho de 2014. A presidenta acompanhava a partida na condição de Chefe-de-Estado e de Governo, legitimamente eleita pela maioria do povo brasileiro, quando um pequeno grupo, restrito à área VIP do estádio, que se demonstraram desprovidas de qualquer educação ou espírito democrático, gritaram a plenos pulmões palavras de baixíssimo calão dirigidas nada menos que a mais alta autoridade da República.

A UBM entende que faz parte da democracia que exista oposição a qualquer governo. Em seu discurso de posse, a presidenta anunciava que seu governo tinha como missão consolidar a travessia que o povo brasileiro fez para a outra margem da história, tendo a erradicação da pobreza extrema e a criação de oportunidades para todos como luta mais obstinada colocada a seu governo. Apoiada na força e no exemplo da mulher brasileira, como ela mesma disse, e recebendo uma centelha de sua imensa energia, Dilma Rousseff vai cumprindo seu compromisso de honrar as mulheres, proteger os mais frágeis e governar para todos.

É nítido que o extrato social de quem estava na área VIP não é o extrato social dos beneficiários nas inúmeras políticas sociais deste governo. Contudo, não se pode confundir a crítica política, a oposição democrática, com a selvageria dos insultos despolitizados, com fortes traços de machismo, misoginia e autoritarismo, típicos de quem perdeu no jogo democrático e não admite as transformações pelas quais o Brasil está passando e que tem em Dilma a grande timoneira. Por isso, a UBM repudia veementemente os insultos proferidos à Presidenta da República e se solidariza com ela, e com a cidadã Dilma Vana Rousseff e sua filha, Paula Rousseff, pelo absurdo e injustificável constrangimento sofridos no último dia 12 de junho. O debate político brasileiro não pode involuir para a barbárie da agressão pessoal de uma elite pequena que, não tendo mais projeto ou argumentos, parte para a baixaria da agressão pessoal.

União Brasileira de Mulheres, junho de 2014.

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Opinião Sinpro Minas
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha