Notícias

UNE e movimento educacional lutam pela aprovação imediata do PNE com 10% do PIB

6 de junho de 2012

O Brasil vive dias decisivos para os rumos da educação do país e para definição do tipo de desenvolvimento que será adotado para a próxima década. No bojo das discussões do novo Plano Nacional de Educação (PNE), o debate traz a possibilidade de dialogar sobre o projeto de universidade que a juventude quer para o país, e o movimento educacional unificado reafirma que este é momento de ampliação de direitos, com a destinação de 10% do PIB e 50% dos royalties e do Fundo Social do Pré-Sal para a educação.

Os últimos capítulos da tramitação do PNE, que começou no final de 2010, aconteceram nos dias 29 e 30 de maio, quando o relator do plano, o deputado Angelo Vanhoni (PT-PR), iniciou a leitura do texto para a comissão especial que analisa a matéria na câmara. A leitura foi concluída no dia seguinte (30), com a solicitação de Vanhoni para nova rodada de negociação com o governo.

Os próximos e decisivos capítulos da votação estão previstos para o dia 12 e 13 de junho, data para a qual a votação foi marcada. O projeto tramita em caráter conclusivo, ou seja, caso aprovado pela comissão especial, seguirá diretamente para votação no Senado.

Atualmente, são investidos apenas cerca de 5% do PIB na área. O texto apresentado por Vanhoni prevê uma meta de 7,5%. O movimento estudantil e educacional, unidos, pressionam o congresso e levantam a bandeira de um investimento mínimo, previsto pelo PNE, de 10% do PIB para educação.

“O PNE traz uma grande expectativa para a sociedade brasileira, que anseia pela sua aprovação. O Congresso Nacional tem, portanto, o poder de aprovar um plano à altura dos desafios do nosso país, que invista 10% do PIB e 50% dos royalties do pré-sal pra educação, o que seria uma grande vitória que vai se refletir futuramente na qualidade universidades de todo país, inclusive nas federais que agora estão em greve” , avalia o presidente da UNE, Daniel Iliescu.

O Coordenador-geral da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, Daniel Cara, mostra-se otimista em relação à aprovação da meta de 10% argumentando que uma grande vitória alcançada é a hegemonia de ideias em relação à necessidade dos 10% do PIB para educação alcançada na Comissão Especial. “Hoje há unanimidade da necessidade dos 10%. Se fosse votado agora, acredito que os 10% seriam aprovados”, afirmou. Ele aponta a pressão exercida por parte da política econômica do país como único fator que possa diminuir a meta do plano. “A área econômica do governo é poderosa e preponderante, e vai usar artifícios para garantir o patamar”, explicou.

O diretor de políticas educacionais da UNE, Estevão Cruz, também avalia o momento como positivo para a aprovação dos 10%. “A pressão que estamos fazendo o conjunto das entidades já tem resultado num cenário que a oposição de direita e esquerda ao governo estão votando nos 10%. Estamos nos aproximando da reta final da votação e essa margem de manobra do governo está ficando mais curta”, disse.Plano traz avanços

O item mais polêmico do plano é a meta 20, que define justamente o percentual do Produto Interno Bruto (PIB) do país a ser investido na educação. “Desconsiderando o debate em torno da meta de investimento, o plano está redondo. Porém, um investimento inferior 10% impossibilitarialcançar todas as outras metas”, avaliou o diretor de relações institucionais da União Nacional dos Estudantes (UNE), André Vitral.

Para Cara, “O plano melhorou muito, no senado terá que melhorar algumas outras metas, como a de avaliação, por exemplo. O PNE tem que apontar para apenas uma direção”, explicou.“PNE já!”Além de pressionar o congresso para que a meta de investimento aprovada seja 10%, a pressão também ocorre no sentido de garantir que a aprovação aconteça imediatamente. Durante última reunião da diretoria executiva da UNE, foi referendada uma agenda de mobilizações que inclui atos nos dias 12 e 13, quanto estará sendo realizada a votação. “Nossa mobilização terá essa cara, essa marca: se não tiver 10%, não é o PNE que queremos”, disse Estevão.

Nessa linha, as entidades do movimento estudantil (UNE, UBES e ANPG), unidas à SBPC e à entidades do movimento educacional uniram forças para pressionar o congresso e lançaram em maio a campanha “PNE Já! 10% do PIB em Educação e 50% dos Royalties e do Fundo Social do Pré-Sal para Educação, Ciência e Tecnologia”.

“Hoje, o grande desafio da SBPC é cobrar do governo e mostrar a importância de investir em todas as etapas da educação. Se o cobertor é pequeno, vamos buscar dinheiro. Investimento é educação, ciência e tecnologia. O resto é gasto”, afirmou a presidenta da SBPC, Helena Nader.

Na manhã do dia 9 de maio, a UNE e a UBES realizaram um grande ato na Câmara dos Deputados, quando cerca de 300 estudantes ocuparam o salão verde da casa pela aprovação do PNE com destinação de maiores investimentos para a educação.

Fonte: UNE

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Opinião Sinpro Minas
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha