Notícias

Unesco: educação sexual nas escolas pode prevenir violência contra as mulheres

9 de junho de 2016

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) no Brasil reafirmou nesta terça-feira (7) seu compromisso com a garantia dos direitos das mulheres e da população LGBT, posicionando-se de forma contrária a toda forma de discriminação e violação dos diretos humanos em qualquer circunstância e, em especial, em espaços educativos.

As desigualdades de gênero, muitas vezes evidenciadas pela violência sexual de meninas, expõem a necessidade de salvaguardar marcos legais e políticos nacionais, assim como tratados internacionais, no que se refere à educação em sexualidade e de gênero no sistema de ensino do país”, diz comunicado da Unesco.

A entidade baseia-se nos alarmantes índices de violência contra as mulheres no país e em recentes acontecimentos com estupros coletivos, principalmente o ocorrido no Rio de Janeiro, no qual mais de 30 homens estupraram uma menina de 16 anos.

Por isso, para a Unesco no Brasil, é essencial aprofundar o debate sobre sexualidade e gênero no país. “Aprofundar o debate sobre sexualidade e gênero contribui para uma educação mais inclusiva, equitativa e de qualidade”.

Recentemente a nadadora Joanna Maranhão defendeu em entrevista à BBC Brasil a inclusão de educação sexual nos currículos escolares como forma de se coibir a pedofilia. Para ela, “É preciso ter uma educação sobre isso, sobre qual carinho pode, qual não pode, o que são certas coisas. É preciso falar disso na escola”. Joanna sofreu abuso sexual na infância e criou a ONG Infância Livre para combater essa prática.

Marilene Betros, dirigente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) e secretária da Mulher da CTB-BA acredita que “a escola tem que ser plural. Precisa ter um olhar amplo sobre tudo o que acontece no Brasil e no mundo”. Por isso, “nós defendemos que a escola forme cidadãos e cidadãs plenamente, com uma pedagogia voltada para o respeito e para a igualdade”.

todas sangrando

Porque isso, “orienta as crianças sobre algo que elas ainda não são capazes de entender sozinhas e, portanto, não sabem lidar”, afirma Isis Tavares, presidenta da CTB-AM. “Esse tipo de orientação para crianças e adolescentes nas escolas deve ser abordado com base na biologia e na psicologia, levando em conta a afetividade e questões sobre a cidadania, tudo de modo interligado para possibilitar o conhecimento pleno e sem tabus”, complementa.

Isso se torna ainda mais importante uma vez que a educação é compreendida como processo de formar cidadãos que respeitem às várias dimensões humanas e sociais sem preconceitos e discriminações”, diz a Unesco.

A presidenta da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas, Camila Lanes, defende que a educação deva ser compreendida com uma área estratégica em qualquer país e, portanto, sirva para disseminar o saber, voltado para o respeito ao ser humano, às diferenças” e, assim, “combater todas as formas de violência, ódio e discriminação”.

Ela lembra inclusive que no ano passado o tema de redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) foi “A persistência da violência contra a mulher na sociedade brasileira”. O que provocou a fúria dos setores reacionários da sociedade, principalmente porque muitas meninas retrataram casos reais (leia aqui).

Em todos os seus documentos, a Unesco defende que “estratégias de educação em sexualidade e o ensino de gênero nas escolas é fundamental para que homens e mulheres, meninos e meninas tenham os mesmos direitos, para prevenir e erradicar toda e qualquer forma de violência, em especial a violência de gênero”.

Com diz, Ivânia Pereira, secretária nacional da Mulher Trabalhadora da CTB, “não existe sociedade democrática sem a participação efetiva das mulheres na construção de uma civilização que respeite os direitos de todos e todas dialogarem e se posicionarem sem medo de serem felizes”.

Fonte: portal CTB

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha