Notícias

UNI-BH desrespeita alunos com fechamento de cursos

4 de dezembro de 2015

Diante da notícia de que o UNI-BH vai fechar cursos nas áreas de Comunicação e Gestão no campus da rua Diamantina, estudantes e professores estão preocupados com o destino da comunidade acadêmica em 2016. De acordo com comunicado oficial no site da instituição de ensino, os cursos serão transferidos para outras unidades, com o objetivo de oferecer melhor infraestrutura para os alunos. A comunicação foi feita no último dia 2/12.

Conforme matéria publicada no site do jornal O Tempo, onze cursos serão afetados pelas medidas, sendo que Administração, Ciências Contábeis, Gestão de Recursos Humanos e Processos Gerenciais irão para o campus Cristiano Machado, já os cursos da área de Comunicação, tais como Jornalismo, Publicidade e Propaganda, Produção Multimídia, Fotografia, Design, Design Gráfico e Eventos serão transferidos para o Estoril.

Depois que receberam a notícia, dezenas de estudantes ocuparam a unidade Diamantina, em protesto. A direção do Centro Universitário acionou a Polícia Militar para conter a manifestação pacífica. Na noite de quinta 03/12 e na manhã de sexta 4/12, os estudantes protestaram contra as mudanças, novamente, em frente à instituição.

Para a diretoria do Sindicato dos Professores de Minas Gerais, Sinpro Minas, a forma que a instituição de ensino trata os alunos reflete a falta de abertura para o diálogo e intransigência. Afinal, uma manifestação de estudantes não pode ser considerada um caso de polícia. Outra questão que deve ser ressaltada é a relação de consumo, pois os estudantes se matricularam para estudar em um local e só depois vieram a saber que teriam um deslocamento muito diferente. Essa postura demonstra uma total despreocupação com a vida dos estudantes e comprova o que o Sinpro Minas denuncia há muito tempo: a educação é tratada como mercadoria e os alunos como números a serem negociados em bolsas de valores. O sindicato é solidário aos estudantes e está à disposição para apoiar o movimento.

Em relação aos professores, segundo a vice-presidenta do Sinpro Minas, Valéria Morato, houve um descaso, uma vez que a atitude do UNI os atinge diretamente e eles nem sequer foram comunicados que devem reorganizar as suas vidas para o próximo ano. A diretoria do sindicato destaca que tem, inclusive, informações sobre o enfraquecimento das instituições democráticas internas da escola, uma vez que as eleições para colegiados de professores não aconteceram. “Os professores e os alunos foram traídos, pois, essa decisão foi comunicada quando as rematrículas já haviam sido feitas, ou seja, tudo ocorreu nos últimos dias do período letivo. Isso comprova a despreocupação dos grandes grupos financeiros com o processo pedagógico e com os seres humanos que nele estão envolvidos”.

O Sinpro Minas defende relações democráticas no processo educacional que, por suas vez, é essencial para a construção de um projeto de país mais justo e democrático. “O professor é construtor do seu fazer e deve ser respeitado como tal. Repudiamos veementemente esse tipo de atitude e estaremos atentos a qualquer afronta à dignidade e aos direitos dos professores e professoras”, defende Valéria Morato.

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha