Notícias

Universidades no Brasil têm liberdade de pensamento ameaçada

Pela 1ª vez, Brasil aparece em relatório que monitora ataques a universidades no mundo. Com governo Temer e Bolsonaro, país é destaque negativo em documento internacional Free to Think, de rede ligada à Universidade de Nova York

As universidades públicas brasileiras continuam ganhando notoriedade, mas agora de forma negativa. Pela primeira vez, o Brasil é destaque em relatório internacional que monitora ataques ao ensino superior no mundo. Invasões policiais, proibições de aula, patrulhamento de professores, acusações mentirosas, violência, fim da autonomia universitária e nomeações políticas são alguns dos ataques elencados pelo documento Free to Think, ocorridos nos últimos dois anos, que levaram à inclusão do Brasil na lista de países que ameaçam as instituições de ensino superior.

O relatório, elaborado pela rede Scholars at Risk (SAR), ligada à Universidade de Nova York, dos Estados Unidos, abrange o período de setembro de 2018 a agosto de 2019. Ao todo, foram 324 ataques em 56 países, com destaque para Índia, Turquia, Sudão, China e Brasil.

Pesquisador em Direito Público pela Universidade de São Paulo (USP), Michel Lutaif lembra que o processo de ataques iniciado ainda no governo de Michel Temer (MDB) atinge seu ápice com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). “O relatório faz denúncias muito sérias, traz casos de cerceamento de liberdade acadêmica, ataque às instituições de ensino, às universidade e às escolas. E essas interferências decorrem de um desconhecimento das leis, do papel da educação em geral e da importância das universidades para a formação dos cidadãos”, avalia o pesquisador.

A diretora da União Nacional dos Estudantes (UNE), Ísis Mustafá, também aponta o documento internacional como uma comprovação científica sobre o que os estudantes universitários vêm denunciando desde o início do governo Bolsonaro. Integrantes do primeiro escalão já acusaram instituições de fazerem”balbúrdia”, “produzirem maconha”, além de terem sido feitos cortes no orçamento.  Isso com a “implementação de um programa, através dos seus ministros da Educação, um pior que o outro, que elegeu a universidade, os estudantes e o conhecimento do nosso país como o principal inimigo de seu governo”, ressalta a dirigente.

Os dois entrevistados destacam que é fundamental lutar para a preservação da autonomia das universidades e da liberdade de cátedra e de expressão, do contrário, de acordo com eles, os ataques do governo Bolsonaro podem comprometer o futuro do país.

Fonte: Rede Brasil Atual | Foto: Gibran Mendes

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Ponte Nova
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Teófilo Otoni
Uberaba
Uberlândia
Varginha