Notícias

Vitória dos professoresTRT-MG julga procedente dissídio coletivo do Norte de Minas

18 de maio de 2012

Uma decisão histórica do Tribunal Regional do Trabalho (TRT-MG) renova a luta de mais de quatro anos do Sinpro Minas e dos professores do Norte do estado pelo cumprimento de seus direitos.

Na tarde dessa quinta, 17 de maio, em sessão na sede do TRT-MG, em Belo Horizonte, foi julgado procedente o dissídio coletivo de 2011 ajuizado pelo Sinpro Minas, o que assegura conquistas anteriores da categoria e abre perspectivas de ampliação de direitos. Desde 2008, os professores da região estavam sem uma Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) assinada.

O julgamento trouxe avanços. Um deles foi a definição da vigência das cláusulas sociais do dissídio por quatro anos, a contar de 2011. Foi assegurado o reajuste de 6,53%, correspondente ao INPC de 2011, porém não foi deferido o pedido de aumento real e produtividade.

Outra conquista foi o deferimento da cláusula 57, que garante abono de 15% por direitos autorais aos professores pelos materiais didáticos produzidos e utilizados nas escolas. Os professores também obtiveram avanços na promoção de medidas protetivas à saúde da categoria e na conquista da cláusula relativa à remuneração dos professores por supervisionar estágios. A sentença do julgamento deverá ser publicada em cerca de dez dias.

Para o diretor do Sinpro Minas Newton de Souza, esse julgamento é inédito, já que é a primeira vez que um dissídio da categoria é julgado após a promulgação da Emenda 45, que exige comum acordo entre as partes para julgá-lo.

Dessa vez, os desembargadores decidiram pelo julgamento do dissídio, sem o mútuo consenso entre os envolvidos. “Essa é uma grande vitória para os professores da região, que agora terão seus direitos resguardados a partir do julgamento desse dissídio”, destacou Newton.

Há cinco anos, os docentes do Norte de Minas fazem mobilizações pela garantia e ampliação dos direitos. Na avaliação da diretora do sindicato em Montes Claros, Nalbar Rocha, a decisão da Justiça valoriza os professores da região.

“Éramos a única região do estado sem convenção assinada, em função do desrespeito grande por parte do patronal. Nas negociações, os donos de escolas só queriam retirar direitos. Com a decisão, os professores estão se sentindo valorizados. Mostra também que a mobilização da categoria e a luta do sindicato surtiram efeito. O Sinpro em nenhum momento recuou diante do embate, e mostramos força e representatividade. Nosso direito ninguém apaga”, ressaltou Nalbar Rocha. 

Para o presidente do Sinpro Minas, Gilson Reis, a decisão representa uma vitória para a luta dos professores de todo o estado por melhores salários e condições de trabalho. “Ficou evidenciada a tese defendida pelo Sinpro de que recorrer à Justiça é um direito dos trabalhadores quando os donos de escolas negligenciam as conquistas da categoria”, afirmou. “O mais importante na decisão foi que a Justiça do Trabalho reafirmou os direitos consolidados pelos professores da região ao longo de sua história”, completou Gilson Reis.

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha