Notícias

Viva a cultura negra!

19 de novembro de 2015

Considerado um dia de sensibilização nacional para conquista de direitos e de valorização da história e cultura da população negra, o 20 de novembro é celebrado em todo o país e considerado feriado em mais de mil municípios.

Os negros brasileiros (pretos e pardos) são maioria da população, representando 53,1% dos 202,7 milhões de habitantes. Os dados são da Pesquisa Nacional de Amostras de Domicílio 2013 (PNAD) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) e do Censo de 2010.

Entretanto, apesar de ser maioria da população e da antiga luta contra a discriminação e pela igualdade racial, o negro ainda enfrenta sérios problemas no país. Segundo Edson França, presidente da União do Negro pela Igualdade, Unegro, a luta passa por reforma da estrutura que privilegia poucos, mas também passa por processo contínuo de educação, não só na escola, como no debate político com a sociedade. Para ele, um dos maiores defeitos da nossa democracia é a desigualdade racial na política. “O perfil do poder no nosso Congresso ainda é assustador: homens, brancos e empresários. Precisamos mudar esta realidade de um parlamento que se demonstra muito conservador. Hoje, a situação está ainda pior, pois a representação do movimento negro no Congresso acabou, embora tenhamos deputados e deputadas que abrecem esta causa. Nos preocupa um Congresso onde cresce a bancada da bala, fundamentalista, da influência da mída, do agronegócio e onde diminui, assustadoramente, a representação dos movimentos sociais”, afirma.

Cultura negra

Para situar o negro historicamente, é preciso falar das marcas profundas deixadas pela escravidão. De acordo com o professor da UFMG e coordenador do Literafro, Eduardo de Assis Duarte, nenhum país passa pela escravidão impunimente. “Foram mais de 350 anos justificando a escravidão e, para isso, era necessário reduzir a figura do negro ao mero trabalho braçal. Ora, a contribuição do negro para a cultura brasileira, assim como para cultura americana, colombiana, caribenha é imensa. O negro já fazia teatro no Brasil em 1700, nas fazendas. Depois de 14 horas de trabalho forçado, tocava tambor, fazia suas danças. O Bumba meu Boi, o Maracatu, o Congado são formas dramatúrgicas criadas por ele. O teatro popular é negro, a cultura popular, em grande medida, é negra, assim como a culinária bahiana, a mineira, pois quem ia para a cozinha não era a mulher branca. A contribuição da cultura negra é enorme e não se restringe à música e ao futebol, como normalmente se quer fazer. O negro sempre fez cultura, desde que aprendeu a escrever, sempre registrou seus pensamentos, ideias, publicou livros. Uma contribuição que precisa ser descoberta e valorizada”, afirma.

Eduardo de Assis lembra inúmeros escritores ao longo da história como Luís Gonzaga Pinto da Gama, Maria Firmina dos Reis, Abdias Nascimento, destacando Machado de Assis, neto de escravos e um dos maiores intelectuais brasileiros: “Nunca frequentou universidade, era autodidata e deixou uma obra definitiva para a língua portuguesa”.

Para o professor, “o carimbo que se colocou na testa do negro foi o da redução ao trabalho braçal. Sequestraram a criatividade e a inteligência do negro e a Àfrica foi sequestrada enquanto lugar de cultura. O Brasil tem uma dívida enorme com a população negra e é preciso respeitar isso”, destaca.

O professor ressalta ainda a importância da Lei Federal 10639/03 que modificou a Lei de Diretrizes e Bases (LDB) ao instituir a obrigatoriedade dos sistemas de ensinos municipal, estadual e federal que precisam incluir aulas sobre questões étnico-culturais em seus currículos. Segundo ele, esta lei é uma espécie de cinto de segurança do futuro do país e precisa ser respeitada. “A lei é importante porque ela mostra a África como lugar de cultura, de filosofia. Nós só seremos um país efetivamente democrático, livre, igualitário no momento em que houver este respeito. Já avançamos, mas tem um longo caminho a ser feito. Nós professores temos uma grande contribuição a dar, não podemos compactuar com o racismo na sala de aula. Uma boa maneira de fazer isso é levar a poesia negra, o romance negro, o conto de Machado de Assis, de Lima Barreto, de Cuti (pseudônimo de Luiz Silva), Conceição Evaristo etc para a sala de aula. É um bom começo”, finaliza.

Histórico

O Dia da Consciência Negra lembra o dia em que Zumbi dos Palmares foi assassinado, em 1695. A República de Palmares é um dos principais símbolos da resistência negra à escravidão.

Desde 1971, quando ativistas do Grupo Palmares (RS) constataram a data da execução de Zumbi, iniciaram uma série de comemorações anuais, elevando-a como data de referência negra. Sete anos depois, o Movimento Negro Unificado contra a Discriminação Racial incorporou a data como celebração nacional e tornou Zumbi dos Palmares um herói nacional, vinculado diretamente à resistência do povo negro. Assim, em 2003, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou a Lei 10.639/03 que estabeleceu o 20 de novembro como Dia Nacional da Consciência Negra, integrando a data ao calendário escolar brasileiro. Já em 2011, a Lei Nº 12.519 instituiu a data como Dia Nacional de Zumbi e da Consciência Negra.

Ouça pela  Rádio Sinpro Minas:

Spot Dia da Consciência Negra

Elas por Elas: violência contra a mulher negra

Entrevista com Edson França – UNEGRO

Ouça também a seleção musical que a CTB preparou para esta semana

Seleção Musical para a Semana da Consciência Negra

COMENTÁRIO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Artigo
Ciência
COVID-19
Cultura
Direitos
Educação
Entrevista
Eventos
Geral
Mundo
Opinião
Política
Programa Extra-Classe
Publicações
Rádio Sinpro Minas
Saúde
Sinpro em Movimento
Trabalho

Regionais

Barbacena
Betim
Cataguases
Coronel Fabriciano
Divinópolis
Governador Valadares
Montes Claros
Paracatu
Patos de Minas
Poços de Caldas
Pouso Alegre
Sete Lagoas
Uberaba
Uberlândia
Varginha